Monthly Archives: junho 2017

Sucesso na Vida, começa pela Educação
   Felipe  Camelo  │     23 de junho de 2017   │     11:00  │  0

Dentre + de 12 mil alunos de + de 600 escolas do Brasil, a nota máxima da Avaliação Sistêmica do Sistema Ari de Sá foi obtida por Jorge Francisco, do 7º ano da Escola Alternativa, em Arapiraca. Como alagoano, muito orgulhoso, torcendo por + notas 10.

Fotos: Reprodução

“Esses resultados não nos surpreendem, porque acreditamos muito no potencial dos nossos alunos, no esforço de seus familiares e na dedicação e qualidade de nossos professores e de toda equipe”, 2º sua diretora Antônia Pereira.

Já Artur Brito, que havia se destacado na Olimpíada de Química do Sistema SAS, desta vez ficou na 67º colocação no ranking nacional da Avaliação Sistêmica

Postar este tipo de matéria é motivo de prazer e orgulho, confirmando que 1 aluno do interior de Alagoas pode ser 1 destaque nacional por seus próprios méritos. Que seja exemplo para os, que assim como ele, focam além do horizonte.

Tags:

>Link  

O Futuro? Começa Hoje
   Felipe  Camelo  │     22 de junho de 2017   │     13:05  │  0

Inspirado no tema desta matéria, lembro de 1 das máximas “Seja feliz aqui e agora”, de Rajneesh Chandra Mohan, + conhecido como Osho, ‘Líder religioso de uma seita de tradições dármicas, mestre na arte da meditação e do despertar da consciência”, 2º Wikipedia. Sendo assim, reproduzimos, na íntegra, release enviado pela produtora cultural, Silvana Valença.

“Considerado um dos maiores palestrantes do país, Leandro Karnal estará em Maceió às 19h do dia 11 de julho, quando vai ministrar a palestra ‘O futuro começa hoje – Planejamento e Estratégia para um Novo Tempo’, no Teatro Gustavo Leite, em Jaraguá.

Foto: Reprodução

O evento, promovido pelo Senac, tem como objetivo fomentar uma reflexão sobre o futuro a fim de auxiliar o planejamento e a definição de estratégias para o alcance de metas pessoais e profissionais.

Karnal faz parte do time de pensadores brasileiros que está acompanhando e discutindo com êxito de público as problemáticas históricas, filosóficas e econômicas do Brasil. Elogiado pela crítica e pela televisão brasileira, é considerado um dos principais pensadores e formadores de opinião do país.

Foto: Felipe Gabriel/Reprodução

O historiador também é membro do conselho editorial de muitas revistas científicas do país. Escreveu em autoria ou co-autoria mais de dez livros, alguns dos quais estão entre os mais vendidos do Brasil, como ‘Verdades e Mentiras’, ‘Felicidade ou Morte’, ‘Pecar e Perdoar, ‘Detração – breve ensaio sobre o maldizer’, ‘História dos Estados Unidos’ e ‘Conversas com um jovem professor'”.

 

Tags:

>Link  

Acima de tudo, Respeito
   Felipe  Camelo  │     21 de junho de 2017   │     13:15  │  0

Por ser de extrema importância falar sobre este assunto, ele vai ter sempre espaço tanto aqui no blog como na coluna. A causa LGBT é constante e não podemos nos abster disto, como sempre digo, não é preciso ser parte da comunidade para ir a luta por ela. Enquanto uns só olham pro próprio umbigo, vivem de privilégios, usam a religião pra atacar os que se mostram diferentes, outros passam a verdadeira mensagem de amor ao próximo.

Fotos: Reprodução

Não é novidade que a Parada Gay de São Paulo é a maior do mundo. A 21ª edição aconteceu no último domingo, 18, e é estimado que 3 milhões de pessoas marcharam pelos direitos da comunidade LGBT, mas também para dar visibilidade ao preconceito e violência física e moral que, infelizmente, ainda é a realidade de lésbicas, gays, bissexuais, travesti, transexuais, simpatizantes e afins.

Foto: Miguel Schincariol/AFP/Reprodução

Enquanto São Paulo bomba com a Parada Gay, quando cerca de 600 mil turistas chegam a cidade, movimentando a economia, gerando emprego e renda pra muita gente, por aqui a coisa ainda meio lenta. Por causa das terríveis chuvas, a 6ª Marcha LGBT de Alagoas não saiu, sendo adiada pr’o próximo dia 16. A comunidade espera ansiosa por este dia, pois não é só folia, é  representatividade, amor, alegria e celebração da vida.

Foto: Reprodução

Sei que tivemos avanços consideráveis em relação aos direitos LGBTs, mas há países que ainda veem a homossexualidade como doença, havendo punição, prisão, condenação. 1 deles é a Rússia, que teve recente destaque por vetar qualquer “propaganda gay”. O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos repudiou a ação e considerou discriminatória e  encorajamento a homofobia.

É por essas atitudes que vemos o quão importante é 1 Parada Gay, é lutarmos, dar apoio, fazer acontecer, olhar pr’o próximo e ajudar, promover a inclusão, a diversão, comemorar e viver.

Drag queen, performer, DJ… Maju Shanii é atração do Arraiá do Vale. Foto: Marcos Ferreira/Cortesia

E aproveitando o tema, “Pra colorir e animar ainda mais o São João, Maceió ganha mais uma festa junina. O Arraiá do Vale acontece nesta próxima sexta-feira, 23, na Sá e Albuquerque, em Jaraguá. A festa é voltada ao público LGBTQ+, misturando o forró aos ritmos das divas da música pop, funk e eletro. Quem bota o público pra dançar são os dj’s Looedu, Babby Dias, as Croppeds e a drag Queen Maju Shanii”, 2º o jornalista Thiago Tarelli, 1 dos organizadores da festa.

Vamos celebrar a vida!!!

Tags:, ,

>Link  

Mantendo Alagoas Viva
   Felipe  Camelo  │     20 de junho de 2017   │     13:31  │  0

Preservar a história é manter viva a memória e confirmar nossas origens, assim como resgatar a tradição dos que contribuíram para sermos o que somos hoje, para chegarmos ao ponto que nos encontramos, compreendendo nossa identidade.

Foto: Reprodução

Pela importância do resgaste histórico, a Organização Arnon de Mello apresenta a partir de hoje, 20, série de fascículos sobre a história, celebrando os 200 anos de Alagoas, material exclusivo para assinantes, mas que, com certeza, é de grande relevância para toda a sociedade.

Ontem, dia 19, recebendo empresários, formadores de opinião, publicitários, escritores… o diretor-executivo da OAM, Luis Amorim, e o presidente do Instituto Arnon de Mello, dr. Carlos Mendonça. Fotos: José Feitosa/Reprodução

Com riqueza de detalhes, informações históricas, econômicas e geográficas, em 10 capítulos, ‘Pindorama: Alagoas na pré-história’, ‘A Colônia’, ‘A Província’, ‘A República Velha’, ‘A República Nova’, ‘A Formação da Economia’, ‘A República Nova e a Modernidade’, ‘Epopeia de 200 anos’ e ‘Uma matriz diversificada’. Serão 15 mil exemplarem finalizados e encadernados em capa dura.

Fotos: Reprodução

A obra é assinada pelos professores Douglas Apratto Tenório, Cármen Lúcia Dantas, Rochana Campos e Cícero Péricles, com fotos de Hamilton Cruz, José Ronaldo e Ricardo Lêdo, e claro, com 1 produção desta magnitude e capricho, precisa obviamente de patrocínios, como os do Governo de Alagoas, da Prefeitura de Maceió, da Braskem e do Sesi/Senai.

Além deste, a OAM assina outros 5 projetos, que dão o aporte histórico de várias vertentes de Alagoas, como os ‘Folguedos e Danças de Nossa Gente’, ‘Mestres Artesãos das Alagoas’ (com 3 edições), ‘Enciclopédia Municípios de Alagoas’, ‘Alagoas Memorável – Patrimônio Arquitetônico’ e o ‘Centenário Arnon de Mello’. A história agradece!!!

Ah! Todos disponíveis no www.oam.com.br

Tags:,

>Link  

“O Mundo É um Moinho”
   Felipe  Camelo  │     19 de junho de 2017   │     12:33  │  0

Sem querer comparar, e já comparando, “já não se faz + música como antigamente”. Em tempos de pouca inspiração, rimas pobres e fáceis, e total apelo comercial, reforço e confirmo a importância da obra deixada por Cartola, cuja a vida virou um musical e que tem Maceió em sua rota.

Fotos: Reprodução

Com assinatura local da G.A. Produções, parceira desta Organização Arnon de Mello, reproduzo aqui, na íntegra, release enviado por João Acioli. Como ainda falta + de 1 mês, se programem, porque com certeza, vale aplausos!!!

“A festa não pode acabar! Em continuidade às celebrações pelo centenário do samba, comemorado em dezembro de 2016, chega a Maceió o musical “Cartola – O Mundo É um Moinho”, nos dias 08 e 09 de julho. As duas sessões acontecem no Teatro Gustavo Leite, às 20h e 19h, respectivamente. Com 18 atores em cena e orquestra de oito músicos, espetáculo é uma ode ao legado e à vida de um dos pais fundadores da Estação Primeira de Mangueira, e já emocionou 70 mil pessoas em suas temporadas em São Paulo e no Rio de Janeiro.

Compositor de “Alvorada” e “As Rosas não Falam”, Cartola é um ícone da música brasileira. Considerado por diversos músicos e críticos como o maior sambista da história da música brasileira, agora é homenageado por suas próprias composições. Durante duas horas e meia, seus principais sucessos são revisitados pelos personagens, servindo de trilha para contar sua própria história. A dramaturgia é de Artur Xexéo, em pesquisa de Nilcemar Nogueira, neta do Poeta das rosas.

É claro que o samba e o Carnaval não podiam ficar de lado. A trama se desenha em meio a um universo familiar para Cartola: dentro de uma escola de samba que desenvolve justamente o cantor e compositor como enredo. O Carnavalesco apresenta o tema para os componentes da agremiação e, a partir daí, inicia-se uma deliciosa e rica história que passeia por fatos marcantes da vida do Divino – como também era conhecido –, temperados por suas belas canções, e abordando os conflitos do cotidiano da construção de um desfile de Carnaval. Naturalmente, o musical também mergulha fundo no coração do sambista, ao falar da paixão pela Mangueira e pelo amor a sua eterna companheira Dona Zica, com quem foi casado por 26 anos.

As canções são conhecidas e reconhecidas por qualquer fã do samba, e também estão no imaginário de todo brasileiro. Apenas uma composição é inédita: a faixa que encerra o espetáculo, escrita por Arlindo Cruz e Igor Legal, uma samba-enredo chamado “Mestre Cartola”.

No elenco, 18 atores-cantores dão vida a personagens reais e fictícios, membros do cotidiano da Escola de Samba. A seleção dos atores foi um capítulo à parte: foram 3000 inscrições, vindas de todo canto do país; mais de 400 audições; 17 candidatos selecionados e um convidado: Flavio Bauraqui (Cartola). Todo composto por negros, o elenco realça o talento de um povo que historicamente foi o criador e difusor do ritmo, nascido no Brasil com forte influência das tradições africanas. “É uma resposta artística para a sociedade, mostrando que a cultura negra tem sim grande importância cultural, e nada melhor para provar isso do que o próprio Samba”, conta Jô Santana, idealizador do espetáculo.

Desde a estreia, em setembro de 2016, o musical arrastou mais de 70 mil pessoas ao teatro. Temporadas aconteceram em São Paulo e Rio de Janeiro. Iniciando turnê em Maceió nos dias 08 e 09 de julho, no Teatro Gustavo Leite, “Cartola – O Mundo É Um Moinho” passa em seguida por João Pessoa, Salvador, Goiânia e Belo Horizonte”.

Tags:,

>Link