Inclusive no Esporte, Elas são Sexo Forte
   Felipe  Camelo  │     10 de agosto de 2016   │     11:00  │  0

Que as mulheres estão dominando as Olimpíadas Rio 2016, todo mundo já sabe, né? Se no dia a dia já está se perdendo o sentido dizer que mulher é do ‘sexo frágil’, depois desses jogos então…

O nº de atletas participando dos Jogos Olímpicos é recorde, mas isso não quer dizer que chega a equiparidade, mas estamos caminhado pra isso. Elas representam cerca de 5.100 competidoras do mundo todo, 45% do total de atletas, no Brasil, são 209 mulheres.

13882107_1198931240130276_3224964562903673313_n

Pentatleta brasileira, Yane Marques, carregando a bandeira do Brasil na abertura dos Jogos Olímpicos Rio 2016. Fotos: Reprodução

Podemos começar com a pentatleta brasileira Yane Marques. Ela foi escolhida por voto popular, a ser porta-bandeira da delegação do país, sendo a única medalhista do pentatlo moderno na América Latina e no Hemisfério Sul.

time feminino brasil

Seleção Feminina de Futebol

Claro que não podemos deixar de ‘falar’ do time feminino de futebol, composto por Cristiane, maior artilheira da história das Olimpíadas; Formiga, atleta brasileira com o maior nº de presenças no evento; e claro, a alagoana de Dois Riachos, Marta, que superou a marca de Pelé e se tornou a maior artilheira da seleção.

5r6y4s8mhqp0qwhgv82hnokwr

Rainha Marta

O time deu 1 aula de ‘Como Jogar Futebol’. O Brasil venceu a Suécia, no último sábado, por 5 X 1, e o estádio Engenhão foi a loucura,  fazendo 1 coro com “Ah, a Marta é melhor que o Neymar”. Ah! Sobre as comparações feitas ao Neymar, Marta não gosta muito, não é por se achar melhor, e sim porque acredita que está acima de comparações de gênero.

Ainda no sábado, a ítalo-brasileira Nathalie Moellhausen, que defende o Brasil desde 2014, conquistou o melhor resultado da esgrima do país em Jogos Olímpicos, apesar da eliminação nas 4ªs de final da prova de espada individual.

italo brasileira

A ítalo-brasileira Nathalie Moellhausen

No domingo, ‘a pequena gigante’ Rosane dos Reis Santos ficou em 5º lugar na categoria até 58kg do levantamento de peso e estabeleceu a melhor marca do Brasil nos Jogos.

rosane

Atleta Rosane dos Reis Santos

Domingo também foi dia de destaque pra Rebeca Andrade. Apenas com 17 anos, a ginasta foi a melhor brasileira no dia das classificatórias, garantindo o 4º lugar, com apresentação ao som de Beyoncé, encantando o Brasil e o mundo.

receba-anrade

Ginasta Rebeca Andrade

Na 2ª, garantimos a 1ª medalha de ouro para o Brasil. E quem conseguiu? A judoca Rafaela Silva, fazendo história depois de derrotar a líder do ranking mundial. A competidora brasileira tem 1 história de superação incrível, é moradora da Cidade de Deus, 1 das favelas + conhecidas do Rio, venceu preconceitos e se torna a 2ª brasileira campeã olímpica no Judô.

rafaela

Judoca Rafaela Silva

E não é novidade pra ninguém que a seleção feminina de Vôlei do Brasil é incrível. As jogadoras buscam a medalha de ouro pela 3ª X seguida e já mostraram que estão com a garra toda, vencendo a equipe de Camarões e a Argentina por 3 sets a 0.

16221881

Seleção Feminina de Vôlei

Não podemos deixar de falar da abertura dos Jogos Olímpicos. As mulheres foram as protagonistas da noite e deixaram o mundo de ‘queixo caído’. Teve Gisele Bündchen, Karol Conká, Anitta, MC Soffia, Elza Soares, Lea T, Ludmilla, Marta, Hortência…

reprodução twitter

Ah! Claro que não só as brasileiras que estão tendo destaque. Tivemos a dupla feminina do Egito no Vôlei de Praia, que compete nas Olimpíadas pela 1ª X. Doaa Elgobashy e Nada Meawad perderam pra Alemanha, mas garantiram seus lugares na história dos Jogos Olímpicos.

doaa-elghobashy-e-nada-meawad-dupla-de-volei-de-praia-do-egito-durante-a-partida-contra-a-alemanha-1470607889537_v2_900x506

Dupla de Vôlei de Praia, Doaa Elgobashy e Nada Meawad

Integrando o time de refugiados do Comitê Olímpico Internacional, Yusra Mardini, com apenas 18 anos. A atleta é 1 exemplo de perseverança, foi obrigada a nadar para sobreviver, quando o barco que a transportava com outras 20 pessoas, começou a afundar. Mardini e sua irmã pularam do barco e o empurraram por + de 3 horas até chegar na Ilha de Lesbos. Encontrou refúgio em Berlim, onde chamou a atenção do treinador de natação.

refugiada

A nadadora Yusra Mardini

“Sexo frágil”? Acho que não! É tudo que elas não são, frágeis!!!

 

Tags:, ,

>Link  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *